quinta-feira, 9 de setembro de 2010

CordVida: Confira as Perguntas Frequentes

Que razões levam os pais a coletarem o sangue do cordão de seus filhos?

A maioria dos pais decide guardar as células-tronco do sangue do cordão de seus bebês porque se um dia houver necessidade, esse material estará à disposição de imediato.

Algumas famílias também decidem coletar o sangue do cordão porque acreditam nas possibilidades de tratamento que as células-tronco oferecem no futuro. Outras famílias optam pela coleta do sangue por terem histórico de doenças que são tratáveis com células-tronco.

O importante é que quanto mais informações os pais têm sobre o uso terapêutico de células-tronco, o índice de confiança cresce e os pais reconhecem que esse é o melhor presente que um bebê pode receber.

O hospital precisa fornecer algum material para a coleta?

Não. A equipe da CordVida levará todo o material necessário. Basta ligar para a Central de Coletas CordVida 24 horas.

O meu obstetra pode fazer a coleta do material?

Sim, desde que esteja familiarizado com o procedimento e siga o protocolo CordVida de coleta.
A enfermeira especializada da CordVida estará a disposição para quaisquer informações que seu médico eventualmente desejar.

Existe um prazo máximo entre a coleta do sangue do cordão e a chegada à CordVida?

Sim. Há um prazo de 48 horas entre a coleta e a processamento do material no laboratório CordVida. Este intervalo permite que a coleta seja feita em qualquer cidade do Brasil.

A presença da equipe CordVida no momento do parto é a sua garantia de que o sangue coletado chegará ao laboratório dentro do prazo e em perfeitas condições.

As células-tronco do meu bebê poderão ser utilizadas para tratar outros membros da família?

Sim, desde que seja obtida uma autorização específica da ANVISA para tanto ou, se for o caso, judicial.

As células-tronco do sangue do cordão umbilical do seu bebê têm muito mais chances de serem utilizadas com sucesso em pessoas de sua família do que as de um doador sem nenhum parentesco.

Bebês prematuros podem ter o sangue do cordão coletado?

A princípio não há problema, entretanto a legislação em vigor somente permite a coleta a partir de 32 semana de gestação. Porém, a decisão final cabe ao seu médico.


Se eu preservar o sangue do cordão umbilical de um filho, devo fazer o mesmo com o seguinte?

Sim, cada filho é único. E a probabilidade de irmãos serem perfeitamente compatíveis é de 1 para 4.
Além disso, não é possível prever se uma das crianças – e qual delas – eventualmente necessitará de um transplante.

Continue acompanhando a @CordVida no Twitter e no Facebook. Você pode tirar suas dúvidas enviando perguntas para o Formspring da CordVida

Nenhum comentário:

Postar um comentário