terça-feira, 30 de novembro de 2010

Gravidez após os 35 anos

O adiamento da gravidez tornou-se uma tendência mundial nos últimos anos. Dentre os fatores na tomada dessa decisão estão a estabilidade profissional, espera por um relacionamento estável e segurança financeira e ainda, a incerteza de ser mãe.

É bom lembrar que a espera pelo momento da gravidez pode afetar a capacidade reprodutiva feminina, e a queda da fertilidade com o avanço de idade também é um fator biológico a ser considerado.

A mulher de 40 anos também tem mais chances de apresentar problemas ginecológicos, como infecções pélvicas, que podem diminuir a fertilidade. À medida em que a mulher envelhece, seus óvulos também envelhecem, tornando-se menos capazes de serem fertilizados pelos espermatozóides. A fertilização desses óvulos está associada a um risco maior de alterações genéticas.

Preparação é fundamental
Além de saber que a idade pode ser um fator determinante da fertilidade feminina, a mulher, após os 35 anos de idade, precisa adotar cuidados adicionais antes de engravidar. Os riscos de uma gravidez tardia podem ser contornados com uma preparação e um pré-natal com acompanhamento adequado.

Além disso, quanto mais saudável estiver a mulher, maior a chance que os nove meses transcorram com tranqüilidade.

Por isso, fique atenta à preparação médica e exames necessários quando optar pela gravidez tardia. Aí vão algumas dicas:

- Checar se a carteira de vacinação está em dia;

- Realizar testes de sorologia para hepatite B, C e HIV;

- Atenção especial para quem tem problemas de hipotireoidismo;

- Atenção para portadores de doenças crônicas como diabetes, por exemplo.

O ginecologista que acompanha a gestante deve fornecer informações quanto ao curso da gravidez quando se tem hipertensão arterial ou diabetes. É importante que essas doenças estejam bem controladas antes da tentativa de engravidar.

O lado bom
Geralmente, quando a maternidade acontece tardiamente, a mulher tem maior equilíbrio emocional para criar o filho. Do ponto de vista psicológico, o estresse e a depressão diminuem. A mulheres que decidem ter um bebê mais tarde geralmente têm consciência de que precisam melhorar o seu estilo de vida para favorecer a sua própria saúde e a do bebê. Elas adotam com maior facilidade as recomendações para fazerem atividades físicas e manterem uma alimentação controlada para evitar ou controlar problemas cardíacos, diabetes, hipertensão e colesterol alto.

Fonte:
Materlife
Fonte da imagem: Brasil Escola

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Palestra - Células-tronco do cordão umbilical com o DR. Edimilson Migowiski



Nesta terça-feira, 30/11, acontecerá uma palestra onde a parceria da CORDVIDA e da Bella Gestante trará todas as informações sobre as células-tronco do cordão umbilical, assim como sua importância, armazenamento e utilização.

O Dr. Edimilson Migowiski será o palestrante da noite, apresentando todas as informações pertinentes e tirando eventuais dúvidas de todas as futuras mamães.

O nosso evento será realizado no Espaço Bella Gestante na rua Conde de Irajá 125, Botafogo - Rio de Janeiro. A palestra é aberta ao público e teremos imenso prazer em receber todos os interessados. Você pode fazer sua inscrição entrando em contato pelo e-mail contato@bellagestante.com.br.

A CORDVIDA te ensina a brincar com o bebê recém-nascido




Se você já sentiu que depois de dar banho, alimentar o seu bebê e deixá-lo descansar não há nada a fazer, esqueça!

Apesar de os bebês muito pequenos (
recém-nascidos a 3 meses de idade) não interagirem muito e dificilmente responderem a estímulos e brinquedos, é possível brincar com eles sim. E hoje a CORDVIDA vai te dar algumas dicas de como fazer isso.

Dois pra lá, dois pra cá: quando chegar o final da tarde e o seu bebê abrir um berreiro, coloque uma musica calma e caminhe pela casa lentamente, fazendo movimentos leves com o bebê no seu colo. Não se esqueça de manter o pescoço do bebê sempre apoiado e não o sacuda.

Movimentos exagerados e engraçados, como por exemplo balançar os braços para cima e para baixo ou rebolar podem cativar o bebê nessa fase.

Mostrando objetos: os pequeninos adoram tocar novos materiais e formas. Vale mostrar novos objetos como por exemplo colheres, embalagens de xampu (vazias e lavadas!!), tampas e tipos diferentes de tecidos. Mas lembre-se de verificar todos os objetos antes de passá-los as mãozinhas do bebê, exclua todos os objetos com pontas, cortantes, quem queimem ou possam ser engolidos.

Vale manter uma caixinha com objetos interessantes por perto, e assim você poderá retirar um objeto de forma repentina e mostrá-lo ao bebê (como se fosse um passe de mágica).

Que tal ler um livro? Os pequenos não são capazes de compreender e não se interessam pela leitura, mas acompanhar a sintonia da sua voz e estímulos visuais são ótimas pedidas para os bebês. Crianças muito novinhas não costumam prestar atenção por muito tempo, portanto entenda o ritmo de seu bebê e saiba quando parar.


Cante! Sua voz pode não ser muito agradável, mas para o seu bebê isso não é lá muito importante já que tudo que sair da sua boca será música para ele. Relembre alguns clássicos infantis e cante-os para seu bebê! Aumente a voz, diminua, sussurre, coloque o nome dele na letra. Vale até usar um lençol ou fantoche para interagir e distrair o bebê, e lembre-se: a música é parte importante e essencial na educação da criança, portanto, além de distrair e alegrar o seu filho, você estará colaborando para a educação dele! ;)


Para mais dicas para a mamãe e brincadeiras de bebês em idade mais avançada, continue acompanhando o nosso blog,
Twitter e Facebook.


Bom divertimento!


Fonte:
Materlife
Fonte da imagem: Sobre Bebe


quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Stem Cell CORDVIDA: IX Edição

A utilização cada vez mais freqüente do sangue de cordão umbilical ("SCU") como fonte de células tronco hematopoiéticas ("CTH") para transplantes de medula óssea, tato em crianças como em adultos, trouxe a necessidade de padronização de critérios em sua seleção, tendo como principal objetivo melhores resultados terapêuticos.

A CORDVIDA apresenta a vocês a mais recente atualização publicada em 2010, que informa as diretrizes da sociedade brasileira de transplante de medula óssea na área de transplante utilizando SCU como fonte de células.

Confira esse material na íntegra clicando aqui.


quarta-feira, 24 de novembro de 2010

CORDVIDA: Como nasce seu amor pelo bebê?



Uma das ligações mais fortes da natureza, o amor entre pais e filhos é, sem dúvidas, uma das conexões mais belas que existe. Prova disso são os romances, encontros, desencontros, namoros, idas e as idas e vindas de diversas pessoas as longo de nossas vidas. Muitas vezes, é preciso muito tempo para estabelecer uma conexão real com uma pessoa, mas a relação entre os pais e a criança é algo natural, que se constrói em poucas semanas, se fortalece a cada dia, e dura por toda vida.

O estudo para entendimento desses laços tão fortes ainda é estudado. O que se sabe é que o amor que existe entre pais e filhos é um componente vital para os seres humanos. Com o passar dos anos, os cientistas tem descoberto detalhes fascinantes a respeito dessa conexão tão bela e única, alguns dos fatos ajudam a explicar porque é tão encantador estar perto de um bebê e porque o amor pelos filhos continua forte ao decorrer da vida, mesmo que algumas situações mudem o relacionamento entre pais e filhos.


Amor a primeira vista

Amor primeira vista ou antes mesmo de realmente ver, a gravidez já faz com que a mãe passe a amar o filho antes mesmo de ele nascer. A mistura de novos sentimentos e a liberação de hormônios específicos no corpo da mãe, fazem com que o amor e a conexão entre mãe e filho aumente a cada semana de gravidez.

A oxitocina, conhecida também como hormônio do amor, tem papel importante na gravidez. É esse hormônio o responsável pelo comportamento maternal em animais, e no caso dos seres humanos, sua principal função é amenizar a sensação de estresse, ao mesmo tempo criando uma expectativa para ver o tão esperado recém-nascido.

Estudos acerca da oxitocina vem trazendo cada vez mais resultados para a ciência. Com foco inicial em desvendar os efeitos do hormônio no mundo animal, sabe-se que o hormônio tem papel principal em diversos comportamentos sociais, que vão desde a criação dos filhos, até a formação de relacionamentos duradouros

A ausência de produção da oxitocina em algumas espécies de animais revelou comportamentos mais frios, como por exemplo o abandono da cria e a procura de diferentes parceiros para o acasalamento.

Fonte: Materlife

Fonte da Imagem: PintasTintaseManias

terça-feira, 23 de novembro de 2010

A CORDVIDA vai te dizer quais são os sinais do trabalho de parto

Como qualquer outra parte da gravidez, os processos variam de acordo com cada tipo de corpo e organismo, portanto, é impossível afirmar quando começa o trabalho de parto. De qualquer forma, a CORDVIDA vai trazer uma pequena lista dos principais sinais desse momento tão especial:


- O colo torna-se cada vez mais fino e macio (obliteração) e dilatado (até 10cm);

- Ocorrem contrações em intervalos regulares e cada vez menores e se tornam mais longas e intensas;

- Dor constante na parte inferior das costas, principalmente se também houver dores semelhantes a cólicas pré-mentruais;

- Surgimento de uma pequena mancha de sangue (secreção de muco amarronzado ou avermelhado. Se sair o tampão de muco que bloqueia o colo, o trabalho de parto é iminente ou pode demorar alguns dias. Mesmo assim, é um sinal de que tudo está caminhando;

- Rompimento da bolsa, mas só se houver contrações.


É comum que durante o terceiro trimestre seu médico já tenha passado as principais informações sobre o trabalho de parto e indicado os procedimentos a serem tomados.

Caso você tenha qualquer dúvida e não saiba se está ou não em trabalho de parto, entre em contato com o seu médico. O mesmo se aplica para o rompimento da bolsa e qualquer outra atividade ou reação que venha a acontecer com seu corpo, afinal de contas o seu médico está acostumado com esse tipo de contato, e é a única pessoa que poderá te ajudar e tranqüilizar neste momento. ;)


Dica: Ao entrar em trabalho de parto, procure beber bastante líquido e descansar. Um banho morno é também uma boa pedida para aliviar as dores.


Fonte: Pampers

Fonte da imagem: MariMar




segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Saúde Bucal da gestante


Quando se fala de saúde na gestação e mesmo durante um período comum na vida de uma mulher, não podemos excluir a saúde bucal.

É recomendado que a mulher marque uma consulta no odontologista mesmo no início da gravidez e verifique se tudo está em ordem, afinal de contas um problema bucal pode ocasionar consequências na saúde de mulher. Se houver necessidade de um tratamento, o dentista poderá planejar com cautela e programar as correções para um período seguro da gestação, evitando riscos e emergências.

Muitas pessoas acreditam que a gestação pode sensibilizar os dentes, deixando a gestante mais vulnerável a possíveis problemas, como as cáries por exemplo. No entanto, essa informação nunca foi confirmada, o que se sabe realmente, é que durante a gestação, as alterações hormonais provocam a chamada maior vascularização no peridonto. Trata-se do enfraquecimento do tecido que sustenta os dentes no alvéolo. Dessa forma, é compreensível que mulheres que já apresentem problemas de gengiva possam ter facilidade em contrair infecções.

Em relação a cáries, o aparecimento deste incômodo, diferente do que os mitos dizem, é relacionado a mudança de alimentação que ocorre na gravidez, a frequência de ingestão de doces é o maio inimigo da cárie.

Por isso meninas, previnam-se, escovem os dentes e mantenham todas as consultas e agendamentos em dia. ;)

Fonte:JNJ Brasil

Fonte imagem: Moda beleza

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Dicas da CORDVIDA para a amamentação

A amamentação já foi sim um ato automático e natural, um gesto instintivo. Com a chegada de diversos tipos de acessórios - por exemplo, a chupeta e a mamadeira - e o ganho de espaço que eles adquiriram, o “saber” se perdeu um pouco. E como já visto, a importância do leite materno é indiscutível, tornando portanto, as dicas super proveitosas para a hora de amamentar.

Confira algumas dicas para evitar incômodos durante a amamentação.

Preparo dos seios: Não é preciso preparar os seios para dar de mamar, já que essa mudança acontece durante o período de gestação. Até algum tempo atrás, médicos e especialistas recomendavam às grávidas que esfregassem buchas ou toalhas nos mamilos para tornar a pele mais firme. Essa prática caiu em desuso. O fundamental mesmo é preparar a cabeça, predispondo-se a amamentar mesmo que surjam dificuldades.

Variando posições

A maneira tradicional de segurar o bebê não é a única que favorece a amamentação, Nos casos de cesárea, o mais adequado é escolher uma posição que não provoque tensão na região abdominal. Pode ser deitada ou semi-recostada na cama, com o bebê em uma posição mais vertical. O importante é ambos estarem confortáveis.

Não vai faltar

Leite de mãe é sempre fresquinho. Boa parte dele, ao contrário do que se imagina, não fica “estocada” no peito. Ele é produzido na hora de cada mamada, de acordo com a fome do bebê. Um recém-nascido mama, em média, de oito a 12 vezes ao dia. Isso não quer dizer que o seu leite seja insuficiente ou fraco. Nem pense em complementar com chás, água, sucos ou papinhas. Até os 6 meses, a única coisa da qual seu bebê precisa – exceto em casos de indicação médica – é do seu leite.

Em paz para mamar

Procure amamentar em locais tranqüilos. Gente demais, barulho e movimento podem agitar o bebê e você mesma. Prefira roupas que não restrinjam os seus movimentos e deixe o bebê com os braços livres.

Ele só quer brincar

Usar o peito como chupeta dá prazer aos bebês. O movimento de sugar é analgésico e acalma. Mas não vale permitir que o bebê continue com a diversão por muito tempo, afinal você também não pode ser prejudicada ;)

Para mais dicas sobre o período de amamentação, acompanhe a CORDVIDA também pelo Facebook e Twitter.

Fonte imagem: SRZD

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

A CORDVIDA te dá dicas com docinhos para a maternidade


Os preparativos para a maternidade como acessórios, pequenos bonecos e docinhos são uma verdadeira paixão para as gestantes. O ramo de docinhos, por exemplo, se tornou tão extenso, que já existem lojas especializadas na fabricação de docinhos personalizados, verdadeiras jóias!

É claro que a escolha de docinhos super personalizados exige um planejamento financeiro, já que pequenas joinhas não custam nada barato.

Hoje vamos mostrar alguns exemplos de verdadeiras especiarias.

E lembrem-se: não é preciso gastar uma fortuna com lembracinhas, mas um agrado é sempre legal para que seus amigos e familiares guardem esta data tão especial :)



Docinhos enfeitados delicadamente com o nome do bebê e formas fofinhas.

Sabores: Variados

Material : Pasta americana

Embalagens personalizadas e individuais, complementadas com pequenas mensagens de agradecimento.


Estes docinhos são cobrados por unidade, já que estão integrados em uma categoria mais "premium" e são feitos a mão, com diferentes materiais. Os recheios disponíveis são mais exóticos, incluindo pequenas frutas silvestres e chocolate importado.


Neste caso, capricho na embalagem e escolha de um docinho mais simples e popular: balinhas de goma.

Lembrancinha completa e bastante personalizada, com direito a caixinha, variedade de docinhos e enfeite. Privilégio que poucos podem pagar, as lembrancinhas personalizadas, como as caixinhas por exemplo, são reutilizadas pelos convidados.


Fonte: Bebe Abril

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

A importância do papai no pré-natal


A presença do pai durante todo o período de gestação é indispensável e inquestionável. Se houver ausência de pai, outra pessoa normalmente acompanhará a mamãe nesse período, dando o suporte e apoio que um pai daria.

É sempre importante que o pai mostre-se carinhoso e preocupado, acariciar a barriga da futura mamãe é uma forma muito doce de demonstrar o carinho pela mulher, e de se aproximar do seu futuro filho, porque não?

Muitas vezes, o período de gestação acaba fazendo com que o futuro pai se acomode e passe a tratar a gestante como doente ou passiva, inibindo sua liberdade de expressão.

É fundamental que o pai procure se mostrar atraído pela mulher, afinal, as mudanças que acontecem no corpo da gestante podem fazer com que ela se sinta menos bonita e insegura.

Existe uma grande importância no que se diz respeito a conversas, intimidades, e desabafos por parte do casal. O homem deve sim dar atenção aos caprichos da mulher e procurar realizá-los (desde que não sejam absurdos): a cumplicidade do casal pode ajudar a gestante a se estabilizar emocionalmente durante esse período tão importante.

A CORDVIDA se preocupa com cada detalhe, e reconhece que não se pode brincar com momentos e emoções tão importantes ao longo da vida. Por isso oferecemos todo conforto e segurança para armazenar as células-tronco do cordão umbilical do seu bebê. Entenda melhor clicando aqui.

Confira mais dicas e novidades no nosso Facebook


Fonte imagem: Época


terça-feira, 16 de novembro de 2010

Compartilhar a cama do casal com o bebê



Quando se fala de dividir a cama dos pais com o bebê, o tema vira polêmica. Afinal de contas, é certo ou errado?

Quem tem filhos e já experimentou tirar uma sonequinha de tarde ou dormir ao lado dos pequenos a noite sabe que é muito bom. Se este é o seu caso, veja o que a Organização Mundial da Saúde tem a dizer sobre o tema:

A recomendação é que até o sexto mês de vida, o bebê durma em bercinho ou carrinho colocado ao lado da cama da mãe, mas nunca na mesma cama. A proximidade com a cama da mãe serve para que uma maior atenção possa ser dada ao bebê, identificando possíveis problemas com a criança e facilitando na hora da amamentação.

A questão do bebê ficar mimado, mal acostumado e que não se adaptará a dormir sozinho não é o principal foco destacado pela OMS, que ressalta a segurança como principal tópico a ser pensado. Há muitos casos de morte súbita, ferimento e acidentes que podem ocorrer com a insistência dessa prática.

A pediatra Márcia Pradella-Hallinam ressaltou que “Os pais podem rolar sobre o bebê, chutá-lo, empurrar para fora da cama. Há também o risco de sufocamento ou re-inalação do ar expirado, que pode levar a diminuição da reação de despertar”.

Mesmo assim, muitas mães ainda insistem em preservar o hábito do bebê em suas camas, alegando que essa prática ajuda no grau de vigilância materna.

Mamães e futuras mamães, vamos tomar cuidado!


Fonte: Bolsa de Mulher

Fonte Imagem: Hantala



sexta-feira, 12 de novembro de 2010

CORDVIDA alerta sobre os riscos de obesidade na gravidez

A gravidez é um momento delicado e requer cuidados especiais, principalmente quando o assunto é a alimentação que, nessa fase, tem relação direta com a saúde da mãe e do bebê. A obesidade na gravidez é um problema comum e requer cuidados e muita atenção. Muitas mulheres obesas no mundo ganharam peso após a gravidez. A fome pode estar associada a alterações psicológicas e emocionais, que podem levar à compulsão alimentar.

De acordo com obstetra Paulo Nicolau, a gestante deve engordar em média 1kg e meio por mês, 9 a 12 kg no total. Um ganho de peso maior que isso aumenta o risco da mulher se tornar obesa após a gravidez. É impossível querer não ganhar peso na gestação. “Há mitos e tabus culturais, sociais e familiares que fazem a mulher se alimentar erroneamente e escolher mal os alimentos tanto na gravidez quanto no período de amamentação. Além disso, como se trata de uma época difícil de adaptação para a mulher, ela procura compensar a insegurança e a ansiedade que sente em alimentos calóricos como chocolate, por exemplo” esclarece. “Ganhar peso excessivamente no período gestacional ou iniciar esse período com sobrepeso ou obesidade são fatores de risco. Além da parte estética (estrias e manchas), existem riscos de diabetes, hipertensão arterial e eclampsia que são perigosas para a mãe e o filho. Também causa dificuldades para cicatrização e para o momento do parto, seja normal ou cesárea” complementa o obstetra.

De acordo com especialistas, a mulher não grávida necessita em média de 2200 calorias por dia e a mulher grávida, de 2500 calorias em média por dia. Isso significa um aumento de somente 300 calorias por dia, o que quer dizer que a grávida não precisa comer exageradamente para garantir o crescimento adequado do bebê. Mas lembre-se sempre de consultar um nutricionista ou seu médico obstetra em caso de dúvidas.

O peso ganho não representa somente o peso do bebê, mas conta também o peso da placenta, dos líquidos retidos e, principalmente, dos nutrientes acumulados para uso durante a amamentação. As mulheres devem perder cerca de metade do peso ganho em até 6 meses após o parto.

A obesidade é prejudicial em qualquer fase da vida, mas durante a gravidez seus prejuízos podem ser ainda maiores. E não é só na época do parto que ela é perigosa, mas também antes e depois dele.

O corpo sofre uma transformação radical após o parto. Nesta fase, a mulher precisa estar atenta a si mesma e não apenas ao bebê. Assim que possível, deve retomar as atividades físicas e os cuidados com a alimentação devem ser mantidos.

Futuras e recém mamães: cuidem-se!

Fonte: Bebe Net

Fonte imagem: R7



quinta-feira, 11 de novembro de 2010

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

CORDVIDA alerta: cuidado com o uso do Sling



A moda dos slings, ou popularmente conhecidos "carregadores de bebe", está mais que explodindo no mundo inteiro, principalmente nosEstados Unidos. Celebridades de Hollywood exibem o acessório em diversas ocasiões.

Não demorou muito e o acessório passou a ser popular também no Brasil. Acontece que uma

comissão do governo americano anunciou recentemente que o sling pode representar um perigo para a saúde do bebê, e dependendo do caso até levar a morte por asfixia.

No Brasil, não há regulamentação para o uso do sling. Para Renata Waksman, presidente do Departamento de Segurança da Criança e do Adolescente da Sociedade Brasileira de Pediatria, além do risco de asfixia e sufocação, há risco de fraturas e quedas quando o sling é mal utilizado. "Mas, bem utilizado, é bom, pois permite mais aconchego e libera a mãe para algumas tarefas", diz ela.

O ideal é escolher o sling com cuidado, optando por tecidos macios e confortáveis, a resistência também deve ser levada em conta. Procure checar a largura e escolher slings com a lateral elevada. Bebês com menos de um mês não devem ser transportados no sling.É sempre bom lembrar que o bebê é frágil e indefeso, por isso tenha responsabilidade na hora de escolher os acessórios. Opte pela saúde e segurança do seu filho. ;)



Fonte: Bebenet
Fonte Imagem 1: Just Jared
Fonte Imagem 2: The Stylist Child


terça-feira, 9 de novembro de 2010

CORDVIDA mostra a importância do leite materno


Ato de amor, a importância do leite materno vai muito além da alimentação do bebê, sendo essencial não só para construir um importante vínculo afetivo com a mãe, como, principalmente, para garantir a saúde da criança por toda a vida. E os benefícios não se restringem somente ao bebê: o ato de amamentar diminui as chances de a mulher desenvolver doenças como câncer de mama e ainda é uma maneira de queimar os quilinhos a mais, adquiridos durante a gravidez.O leite materno contém todas as proteínas, açúcares, gorduras, vitaminas e água essenciais para a alimentação do bebê, além de ser rico em anticorpos e glóbulos brancos, fundamentais para o fortalecimento do sistema imunológico. Eles protegem a criança contra o desenvolvimento de infecções e doenças como bronquite, pneumonia, meningite e até câncer, além de diminuírem a probabilidade de ela desenvolver obesidade ou diabetes do tipo I, quando adulta.O leite da mãe traz vários outros benefícios para o desenvolvimento da criança ao longo da vida. O aleitamento materno estabelece uma ligação emocional muito forte entre a mãe e o bebê, o que, conforme estudos comprovaram, facilita o seu desenvolvimento e o torna mais confiante para relacionar-se com outras pessoas. Outra vantagem é o fato de que mamar no peito melhora a formação da boca e tem papel essencial no alinhamento dos dentes da criança, favorecendo também a fala e a respiração. Ou seja, amamente!


Fonte: Materlife

Fonte imagem: Glossário de notícias


segunda-feira, 8 de novembro de 2010

A CORDVIDA te ajuda a dormir melhor durante a gravidez



Muitas grávidas têm dificuldades para dormir durante o período de gestação. Isso porque o corpo muda e alguns sintomas incômodos surgem, como náuseas, azia, síndrome das pernas inquietas e ronco.

Aí vão algumas dicas para dormir melhor durante a gravidez:

- Livre-se de inimigos como cigarro e bebida: além de atrapalhar o bebê, podem também causar distúrbios no sono. As bebidas que contém cafeína também devem ser evitadas, principalmente no período da tarde e da noite.

- Transforme seu quarto: reserve um tempo e procure montar seu quarto da maneira mais confortável e relaxante possível. Procure eliminar objetos barulhentos ou luzes que possam te atrapalhar e acordar de sonos leves.

- Cama é para dormir! Se você tem o hábito de utilizar a cama para comer e ver TV, esqueça! Reserve a utilização da cama para o momento de descansar mesmo.

- Deixe as preocupações fora do quarto: procure tirar suas preocupações e deveres da cabeça ao entrar no quarto. Programe-se para que a hora de entrar no quarto e dormir seja de paz para você, procure terminar o que você tem que fazer e pensar antes.

- Não pratique exercícios durante as 3 ou 4 horas antecedentes ao sono. O seu corpo pode demorar para relaxar, além disso estudos mostram de que exercícios perto da hora de dormir podem atrapalhar o sono profundo.

- Cochile sempre que possível

- Se tiver dificuldades para pegar no sono, levante-se um pouco, passeie pela casa, leia uma revista ou ouça uma música suave, logo você se sentirá sonolenta e poderá voltar para a cama

- Faça um lanche antes de ir dormir para evitar as náuseas

- Evite refeições pesadas e alimentos picantes perto da hora de dormir

- Beba menos água do fim da tarde para noite: procure beber bastante durante o dia, mas diminua a quantidade no fim da tarde para evitar idas contínuas ao banheiro durante a madrugada

- Durma sobre o lado esquerdo: Procure se acostumar desde o princípio da gravidez. Essa posição ajuda o sangue e nutrientes a fluírem para o feto e para o útero com mais facilidade, e os rins a eliminar líquidos desnecessários.

- Use quantos travesseiros julgar necessário para te deixar confortável

- Não fique nervosa se não conseguir dormir, tente não se preocupar demais. Afinal interrupções durante o sono são normais durante a gravidez. E por mais que pareça impossível, você vai sim achar uma rotina de sono que funcione! :)

Fonte: Materlife

Fonte da imagem: Época


sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Você sabe o que um recém-nascido consegue fazer?


A CORDVIDA vai te contar algumas coisas que o recém-nascido consegue fazer.Você pode se impressionar.

São elas:

- O bebê já nasce ouvindo, enxergando, sentindo cheiros e com sentidos apurados

- O choro após sair da barriga da mamãe é principalmente por conta dos seus sentidos apurados. O bebê sente os odores de produtos, a luz o perturba, as vozes o assustam, o toque lhe é estranho, etc

- Estudos provam que os recém-nascidos sentem os gostos, e que o paladar aceita melhor tanto os doces quanto os amargos, apesar de só se alimentar do leite materno.

- A maioria dos recém-nascidos passa a maior parte do tempo de olhos fechados, mas podem sim enxergar rostos e objetos próximos ao seu campo de visão.

- Nos primeiros dias, a visão do recém-nascido varia entre 15 e 20cm de distancia

- A audição do bebê se forma desde o 5º mês de gravidez, por esse motivo é importante conversar com o bebê enquanto ele ainda está na sua barriga

- Após o nascimento, os recém-nascidos já passam a responder pelos estímulos sonoros

- Quando expostos a ruídos altos, os recém-nascidos tendem a acelerar a respiração e se atiram para trás

- O olfato também é desenvolvido no início, portanto evite exagero de perfumes e produtos de limpeza

- O recém-nascido mostra suas emoções berrando quando algo o incomoda e batendo as pernas (dica: preste atenção, pois estas são as armas que o bebê tem para demonstrar algum problema ou insatisfação)


Fonte: Desenvolvimento do bebê

Fonte Imagem: WallDesk